https://i2.wp.com/img196.imageshack.us/img196/219/nophoton.jpg

Como alguns de vocês sabem, estive na chapada diamantina no último feriadão e foi bem legal. Estava aqui lembrando que estive com meu celular e os fones de ouvidos quase que o tempo todo nas longas viagens de carro entre um município baiano e outro… O mais interessante era que os fonezinhos pretos iam para o meu ouvido para tocar apenas DUAS músicas. Sim, só duas… Uma semana ouvindo as mesmas duas musicas, sempre o dia todo e sempre antes de dormir… Querem saber quais foram?

A primeira foi “Love, where is your fire?” da Brooke Fraser lindinha.

Amor, onde está o seu fogo?
Estive aqui sentada fumegando
Fazendo sinais com bastões, fins estranhos e porções
Mas não há nem sinal de uma chama
Impostores passaram por aqui, oferecendo um brilho agradável
Mas estou me apegando ao que você é – um inferno que queima até os ossos
Alguns me incentivam a pegar mais leve, mas morno não dá certo

Pois eu, eu quero me inflamar com você
Então estou guardando meu coração pra você
Guardando meu coração

Então eu fico segurando tochas
Falando palavras que são lâmpada para os pés deles
Até que você venha e eu seja inteiro, e nos tornemos um e o fogo em mim seja completo
Alguns me falam pra eu moderar, mas morno não dá certo

Pois eu, eu sei que vou me inflamar com você
Então estou guardando meu coração pra você
Guardando meu coração
Então uma dúvida vem mentir lá no fundo da mente
Que eu me oferecerei a você e você educadamente recusará
Então apresso-me a calá-la
Gritarei e a afastarei pra longe

pra longe… longe… longe… longe

***

A segunda, na sequencia, foi “Love is Waiting”, dela também.

“Eu escreveria milhares de canções a respeito do jeito que você diz meu nome
Eu viveria minha vida toda com você, e faria isso tudo de novo
Mas como não posso fazer o sol nascer e nem apressar o começo do verão
Eu não posso adiantar meu caminho ao seu coração”.

***

É como se… o “algum dia” fosse agora mesmo. Era a sensação que eu sentia todos os dias lá… Anestésico, mas muito bom. Ainda com essa mesma sensação é que consigo ignorar tudo o que acontece agora. O “algum dia” não está tão longe, não mesmo.

Anúncios