https://i2.wp.com/3.bp.blogspot.com/_KPdEcxzBrwQ/SpLE6PYS1OI/AAAAAAAAAXQ/2Hx4M4bHpT4/s400/3834258173_395590b63d.jpg

A maioria das pessoas que visita meu blog deve conhecer a Mariana Valadão. Pode não saber que ela já lançou seu segundo disco e a última canção que tenha ouvido em sua voz tenha sido “Oásis” no Diante do Trono 11, ou só se lembre de “Quero Tocar-te”, em “Quero me Apaixonar”. A questão é que Mariana lançou dois discos muito maduros musicalmente, e esse novo trabalho só consolida o que foi visto em 2008. O primeiro disco solo veio topado de canções internacionais muito famosas no meio cristão: sucesso garantido. Ótimas versões, com raras ressalvas (como “Hungry” e “Hosanna” que perderam a força de suas letras nas traduções).

2009 foi a oportunidade de lançar um trabalho autoral. E veio “De todo meu coração”, que traz composições dela em parceria com seu marido Felippe Valadão, R.R Soares e outros amigos. A simplicidade do coração de Mariana é totalmente exposta no disco, de modo que as adolescentes no início de sua vida devocional, se identificam muito com o que a cantora fala nas letras. A música que abre o disco e dá nome a ele tem isso muito forte em todo o seu andamento.

Minha faixa preferida do CD vem em seguida e se chama “Vou Realizar”. Gostei tanto que provavelmente vocês me ouçam cantando essa música durante alguma ministração. Tem uma letra muito positiva e forte, além de uma criatividade musical enorme. “De todo meu coração” é um disco criativo, cheio de inovações musicais que dão uma marca especial ao disco em meio ao mercado Gospel brasileiro atual, variando um pouco em tendências, sem deixar o pop de lado. Eu especialmente gosto de discos assim.

“Vida de Deus” é uma música com arranjos baseados no Rock Britânico, uma tendência que acompanha o casal Felippe e Mariana desde 2007, quando eles gravaram vocais para dois discos de Nívea Soares: “Fan the Fire” e “Rio”. A influência do estilo desses discos de Nívea fica muito nítida na canção, apesar de soar estranho, à primeira vista, uma voz tão doce como a de Mariana cantando uma canção cheia de guitarras. Seu contralto suave se encaixa melhor em canções leves como “Se eu apenas te tocar”, que retoma o tema do primeiro solo expressivo de Mariana no Diante do Trono. “Quero tocar-te” foi composta pelo Pastor André Valadão baseada no milagre da mulher hemorrágica (Marcos 5). “Se eu apenas te tocar” é mais literal e traz a mulher como eu lírico. Essa história fala muito ao meu coração e inevitavelmente me emocionei ouvindo.

A faixa termina com um longo instrumental. Isso se repete em algumas outras músicas, dando um toque diferenciado ao CD e ligando uma faixa à outra. Em vez de espontâneos longos, solos instrumentais longos. É um investimento na música e também achei isso interessante.

O amor de Deus é o principal tema do CD, e daqui para a frente, guia todas as letras. “Deus me ama” e “Lindo é o Teu amor” retomam a proposta do “worship lounge” com um pouco mais de peso. O segundo disco de Mariana Valadão é focado em cânticos, músicas que falam de Deus para quem a ouve, ao contrário do primeiro que era focado em louvor e adoração, ou seja, as canções falavam de Deus para Ele mesmo. “Deus sabe o que é melhor pra mim” tem uma influência direta da dance music (misturada com um pouco de country e r&b) e pode-se dizer que é o centro dessa intenção do CD. Essa música tem um final surpreendente.

“Se Isto não for amor”… Ah, eu ouvia essa canção na infância! Meu pastor cantava sempre no púlpito da Igreja, com uma voz chorosa. Além de conter uma breve palavra do Pastor Márcio Valadão, Mariana surge com a voz dobrada, fazendo o contralto tão marcante (e até melhor do que sua voz em posição solo) nos trabalhos mais recentes de Nívea Soares e no Diante do Trono. “Amado Jesus” tem uma letra muito bonita, além das influências de bossa nova no andamento da canção. A captação da respiração de Mariana dá um tom intimista à canção, que explode num refrão bem pop. A mistura de tendências marca “De todo meu coração”, de modo que nenhuma das canções tem um estilo definido.

O disco termina com uma canção de celebração chamada “Agora é festa”. Quando você pensa que vamos ter música baiana, chega uma batida dançante, quando se pensa que vamos ao funk, chega o rock. É a canção mais mesclada do disco e também tem um instrumental no final, com um “gran finale” bem alegre, que sem dúvida será reproduzido nas apresentações ao vivo. “Agora é festa” foi escrita por Mariana e o Missionário R.R Soares, líder do grupo Graça, formado por várias empresas incluindo a gravadora de Mariana, a Graça Music. Particularmente falando, o CD sobreviveria numa boa sem ela.

De todo meu coração é um disco quase experimental, com sons diferentes e um desejo constante de ser diferente em meio ao que tem sido produzido pelos artistas cristãos do grande meio evangélico brasileiro. Só a intenção já me conquista e me leva a recomendar uma ouvida. Me alegro em ver pessoas se preocupando com a qualidade do trabalho, que é parte da mensagem que se passa ao gravar um disco (ter “Jesus” que rima com “luz” na letra NÃO é tudo) . Acompanhando a ousadia e a maturidade de Mariana, correndo para o lugar da autenticidade e do estilo próprio, logo logo chegará o tempo em que se perguntará… Ela é irmã de quem mesmo?

Anúncios